logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS
Autor(es): Beatriz Crittelli Amado. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave recursos didticos, ensino de cincias, Libras
Resumo

No ensino de ciências, um dos grandes desafios do professor de surdos tem sido o de lidar com as diferenças linguísticas, de aprendizagem (Lacerda, 2007) e a falta de materiais específicos em Libras para o ensino desse grupo (Silva et al,   2011). Esse desafio se acentua, especialmente, durante as séries finais do ensino fundamental e no ensino médio no qual os conteúdos propostos se tornam cada vez mais complexos. Este processo de construção de materiais para o público surdo pode se tornar enriquecedor quando elaborado de forma criteriosa, respeitando o rigor científico (Inácio, 2004). Contudo, atualmente, observa-se que os raros materiais no ensino de ciências para surdos existentes podem conter indução a erros ou não estarem adequados para abordar o conteúdo em foco. Diante desse cenário e da escassez de literatura na área que discuta a produção de materiais didáticos para o trabalho com a educação de surdos e o ensino de ciências, a presente comunicação tem por objetivo apresentar a produção de materiais didáticos elaborados para o ensino da disciplina de ciências, com o foco no Ensino Fundamental. Com o uso de materiais recicláveis e de baixo custo, foram elaborados quatro materiais, a saber: 1) tectônica de placas; 2) pirâmide alimentar; 3) morfologia de praias e 4) modelo de células. Neste trabalho apresentamos dados parciais de uma pesquisa que focaliza a construção de materiais didáticos para surdos, guiada pela concepção sócio-antropológica da surdez (Skliar, 1998), na qual o surdo se distancia da visão de deficiência e se insere no campo das minorias linguísticas (Santana e Bergamo, 2005). Com base em uma metodologia de pesquisa qualitativa (Martins, 2004), os materiais foram trabalhados em diversos contextos, tais como salas regulares com alunos surdos e ouvintes (com e sem a presença do intérprete de língua brasileira de sinais - Libras) e em classes bilíngues para surdos. Os registros foram realizados a partir de diário de campo, confirmando a apropriação dos alunos surdos do conteúdo de ciências, de forma mais efetiva. Alguns resultados parciais dessa pesquisa mostram que tais materiais contribuíram com a formação de professores de ciências que ensinam surdos em escolas regulares, inspirando novas propostas de aulas mais dinâmicas, baseando-se em recursos didáticos elaborados a partir de materiais recicláveis e de baixo custo. Além de acessíveis, os materiais potencializam o aprendizado e colaboram para a interação de alunos surdos e ouvintes.