logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Linguística e pedagogia: um diálogo necessário
Autor(es): Isabella de Cssia Netto Moutinho. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave lingustica, pedagogia, distrbios de aprendizado
Resumo

Muitos professores alfabetizadores e dos anos iniciais do EF  II encontram problemas no processo de ensino,  especialmente no que toca à leitura e à escrita. Suas queixas envolvem as  trocas de letras, os a  segmentação de palavras, as  sílabas complexas e a leitura lenta e sem compreensão.  Escolas solicitam que as famílias encaminhem as crianças a fonoaudiólogos, psicopedagogos, psicólogos, e neurologistas por suspeitarem que possam ter Dislexia ou outros distúrbios.  Nas clínicas, usa-se testes psicométricos e o que se verifica é que muitos  desconsideram a relação que a criança construiu com a linguagem na escola e fora dela. Ademais, verifica-se que a análise dos professores a respeito da escrita dos  alunos, o resultado dos testes e as reflexões dos profissionais que os interpretam não abarcam a natureza linguística dos problemas de leitura e escrita apresentados e nem a formulação de um conceito de linguagem que possa prever a singularidade com a qual os sujeitos se relacionam com ela. Esta avaliação, portanto, interpreta problemas de leitura e escrita como sintomas de patologia. Esta reflexão foi iniciada por Coudry (Diário de Narciso, 1996/1998) no interior do arcabouço teórico-metodológico da Neurolinguística Discursiva (ND) e de outros trabalhos vinculados à área.  A ND investiga este contexto através do acompanhamento longitudinal de intervenção na fala, leitura e escrita de crianças com problemas escolares. Através de uma metodologia heurística de análise de dados, o que temos verificado é que esses diagnósticos não se confirmam e que as crianças conseguem superar suas dificuldades.  Esta perspectiva orientou o estudo realizado com um sujeito que apresentava dificuldade no eixo fala, leitura e escrita, e que passou por avaliações clínicas devido a suspeita de que pudesse ter um distúrbio. Esse acompanhamento foi parte da pesquisa de mestrado “À procura de um diagnóstico: uma análise neurolinguística ”, defendida em agosto de 2014 e orientada pela Profa. Dra. Maria Irma Hadler Coudry. Neste acompanhamento, verifiquei que as dificuldades do sujeito não eram sintomas de uma patologia e que podem ser confundidas com uma quando o investigador não tem conhecimentos dos fenômenos linguísticos que caracterizam o processo de aprendizado de leitura e escrita. Assim, aponto a necessidade de que a Línguística também passe a fazer parte da interdisciplinaridade clínica que caracteriza a escola para que os profissionais não corram o risco de marcar como patológicos, fenômenos que são normais.