logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A produção de gêneros textuais na prova de Redação do Vestibular Unicamp: as percepções de professores do Ensino Médio
Autor(es): Luciana Amgarten Quitzau. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave avaliao em lngua materna, efeito retroativo, redao no Vestibular Unicamp
Resumo

O objetivo desta apresentação é discutir dados coletados a partir de questionários aplicados pela Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares) aos professores que participaram da edição de 2014 da Oficina “A Redação no Vestibular Unicamp”, oferecida com o intuito de divulgar a filosofia da prova de Redação do exame de entrada da universidade.    Há 5 anos, a prova de Redação da Unicamp passou a cobrar de seus candidatos a produção de gêneros discursivos variados através de tarefas que integram leitura e escrita. Até então, eles poderiam escolher um entre os três gêneros/tipos textuais que se repetiam todos os anos: dissertação, narração e carta argumentativa. Atualmente, as propostas são apresentadas em forma de tarefas, que esclarecem ao candidato qual é o propósito do texto solicitado, quem são os interlocutores envolvidos e qual é o gênero que deve ser produzido. O questionário aplicado aos professores foi elaborado pela Comvest com o objetivo de avaliar como eles perceberam essa mudança proposta para o Vestibular. As respostas apresentadas sinalizam a busca dos professores por compreender melhor a prova, as dificuldades que eles enfrentam ao trabalharem com gêneros diversos em sala de aula, as diferentes concepções de linguagem que permeiam suas práticas escolares e a força que exames externos exercem nas práticas e nos conteúdos selecionados. O contato com esse material motivou o desenvolvimento de uma pesquisa de doutorado sobre o efeito retroativo dessa prova de Redação no ensino. Essa pesquisa, ainda em fase inicial, se ancora nos estudos sobre efeito retroativo desenvolvidos por Anderson e Wall (1993), que destacam a importância de estudos empíricos para a avaliação dos efeitos de exames de alta relevância no ensino, e de Cheng (2008), que mostra que os diferentes protagonistas do sistema educacional (alunos, professores, dentre outros) são atingidos de formas distintas pelos exames. No contexto brasileiro, ela se fundamenta nos estudos sobre efeito retroativo desenvolvidos por Scaramucci (1998, 1999, 2002, 2004).