logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Questionamento da linguagem que permeia a sala de aula: rumo a uma linguagem Inclusiva
Autor(es): Sueli Salles Fidalgo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave incluso social-escolar, formao crtica , incluso pela linguagem
Resumo

Este trabalho compõe o conjunto de pesquisas desenvolvidas pelos grupos de pesquisa ILCAE – Inclusão Lingüística em Cenários de Atividades Educacionais – PUC e UNIFESP e GEICS – Grupo de Estudos de Identidade e Cultura Surda - UNIFESP. O interesse por questões relativas às necessidades educativas especiais (sejam elas práticas inclusivas ou não) partiu de inquietações vivenciadas como professora e formadora de professores dentro e fora do âmbito universitário (pré-serviço e em-serviço). Agravadas com a aprovação da nova LDB (9394/96) que, ao instituir a obrigatoriedade de inclusão de alunos com necessidades especiais (de incontestável valor para algumas necessidades especiais), não conseguiu garantir a devida formação profissional para os educadores envolvidos (apesar de mencioná-la), tais inquietações se pautam na linguagem utilizada em cenários educacionais (seja de forma prescrita ou realizada), muitas vezes com o intuito de incluir, mas com o efeito contrário à sua proposta. Por outro lado, há a discussão sobre quem deveria ser incluído no ambiente escolar como este se encontra e até que ponto a escola especializada não seria a mais adequada para algumas crianças   - como é o caso da criança Surda, por exemplo. Com essas questões em mente, este trabalho visa – em um âmbito mais geral - a formação crítica e contínua de professores e pesquisadores, pelo questionamento da linguagem. Para tanto, enfoca a tríade conflito-negociação-transformação (Vigotski, 1930; 1934; Bakhtin, 1929; Habermas, 1985). Enfoca também os conceitos relativos ao volume de Defectologia de Vigotski – tais como o conceito da rotunda, a questão da construção social do conceito de “falta”, a construção do pensamento e da linguagem e as funções psicológicas superiores. Em termos metodológicos, o trabalho está centrado em uma perspectiva Crítica de Colaboração (Magalhães, 2011), o que pressupõe também conflito e negociação nesse espaço denominado por Vigotski de zona de desenvolvimento proximal, possibilitando que todos os envolvidos se transformem a partir das interações que vão sendo estabelecidas ao longo do processo de formação.