logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: NARRATIVAS DE VIDA EM UM ESPAÇO FÍSICO SEPARADO TEMPORALMENTE: A RECONSTITUIÇÃO DO ANTES E A POSSIBILIDADE DE UM DEPOIS
Autor(es): Lucilene Lusia Adorno de Oliveira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Anlise de discurso materialista, socioeducao, narrativas de vida
Resumo

O presente artigo é desenvolvido a partir de uma pesquisa realizada em um Centro de Socioeducação com alunos internados, no cumprimento de medida socioeducativa. A fim de situar as condições de produção dos adolescentes  (re)visita-se primeiramente o espaço físico da Unidade de Internação e nele são encontrados, os espaços preenchidos por construções, por pessoas, por historicidade. A Escola como instituição presente nesse espaço físico é caracterizada pelo momento de “liberdade” para o adolescente, é nela que, mesmo confinado em uma sala de aula, ele adquire o poder de fala e, principalmente, de escuta. Nesse espaço, durante as aulas de Matemática, os alunos escrevem suas narrativas de vida. Essa pesquisa tem como objetivo analisar essas escritas de si, considerando o espaço no qual o aluno está inserido e os espaços que o constituíram fora da Unidade. Para tanto, formula-se o seguinte questionamento: Como o intervalo marcado entre o ‘antes’ e um possível desdobramento do ‘depois’, da internação, pode ser significado num trabalho de sala de aula, no Centro de Socioeducação? Em suas histórias, o enredo narrado de uma vida é marcado pela marginalidade. Observar essa quebra de laços com o que a sociedade em geral, chama de normal, pelos próprios olhos dos adolescentes em conflito com a lei, em uma convivência diária, faz com que sejam sinalizados nos discursos produzidos por esses alunos, escritos ou orais; acadêmicos ou informais, sentidos carregados de significados. Essas condições de produção exigem mais do que a relação ensinar e aprender, componentes do dia a dia de uma escola. Durante esse processo, a posição sujeito dos adolescentes que se encontram internados é (des)construída quando no enlace equívoco dessas posições é possível descortinar algo para além da Escola, chegando à Prática Social. Adotam-se princípios teóricos da Análise de Discurso materialista, pautados em Michel Pêcheux, Eni Orlandi, Cláudia Pfeiffer e Suzy Lagazzi e para falar sobre a ideologia e do sujeito de direito, no mundo capitalista, Althusser, Kashiura Junior e Calderoni são as referências.