logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Educação de Jovens e Adultos e o ensino de língua estrangeira
Autor(es): Natlia Costa Leite. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Ensino de Lngua Inglesa, Anlise do Discurso, Representaes
Resumo

A educação básica para jovens e adultos, no Brasil República, marcou lenta e   tardiamente seu lugar na história dos processos democráticos do país. Percebemos que   momentos históricos de intensa discussão e farto material a respeito do tema são intercalados por grandes silenciamentos e escasso material. Ao levantarmos o histórico do projeto Educação de Jovens e Adultos (EJA) no país, percebemos que as decisões, direcionamentos e políticas públicas passaram por inúmeras rupturas e se mostraram inexoravelmente relacionadas aos interesses políticos de uma época. Ancorado nos pressupostos da Análise do Discurso Franco-Brasileira (ADF), esse trabalho tem como objetivo apresntar os efeitos de sentido mobilizados pelos professores sobre o projeto EJA, o lugar da língua estrangeira no projeto e ainda sobre seus alunos, levando em consideração a constituição heterogênea de todos os discursos. Para tanto, faz-se necessário retomar algumas representações corporificadas nos dizeres desses professores. Assim como qualquer sujeito, eles mediam suas relações de mundo através da linguagem, constituindo-a e sendo por ela constituídos. Logo, é justamente nos enunciados construídos por eles que se pretende reconhecer suas posições discursivas. Sem perder de vista que toda discursividade se dá a partir da retomada de um já-dito, algo se repete e filia o sujeito a um recorte de significação. Em nossas análises, pudemos observar a emergência de duas FDs, que denominamos (1) Formação Discursiva do Conformismo e (2) Formação Discursiva da Ruptura. Diversos significantes caracterizaram a EJA como um espaço residual, menor ou periférico, e assim, contribuíram para reverberar sentidos conformados pela história e materializados na superfície linguística. Nomeamos essas regularidades linguísticas como FD do Conformismo. Já a FD da Ruptura sinalizou um corte nesses sentidos (pre)vistos e apontou para a possibilidade da descoberta perante o aluno, abrindo caminho para o encontro com a surpresa e para a produção de outros (não)saberes e novas/outras memórias.