logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: As potencialidades do gênero entrevista para o trabalho com as práticas linguísticas e discursivas
Autor(es): Michelle Rie Hashimoto, Jeniffer Aparecida Pereira da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Retextualizao, Gneros Textuais, Entrevista
Resumo

O pôster a ser apresentado elege o gênero entrevista como objeto de estudo. Para o desenvolvimento da investigação empreendida, foi realizada uma pesquisa bibliográfica/webliográfica, que contemplou duas partes básicas: a) a caracterização do gênero entrevista, e b) as contribuições que os textos do domínio jornalístico, de modo especial, o gênero entrevista pode(m) trazer para a melhoria da proficiência na leitura e na escrita dos alunos. Este estudo se justifica pelo fato de o gênero entrevista ser muito utilizado pelos veículos de comunicação para obtenção de informações, para a formação crítica dos leitores, além da possibilidade de aperfeiçoar as práticas de oralidade, leitura, escrita e conhecimentos linguístico-discursivos. Para complementar a pesquisa teórica, foi realizado um projeto de intervenção em uma escola pública, com o auxílio dos bolsistas do PIBID/CAPES (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência). O referido projeto teve por intenção trabalhar o gênero entrevista em duas turmas de alunos de Ensino Médio. Nesse sentido, foram considerados as três dimensões propostas por Bernard Schneuwly, Joaquim Dolz (1999): 1) O estudo do papel do entrevistador, concebido como mediador numa situação de comunicação entre um entrevistado, especialista num domínio particular, e um público destinatário, geralmente iniciante, constitui um meio para desenvolver o comportamento interativo verbal dos alunos; 2) O estudo da organização interna da entrevista: as diferentes partes que compõem a estrutura canônica global de uma entrevista (abertura, fase de questionamento ou núcleo e fechamento) e a planificação da fase de questionamento permitem uma aprendizagem de algumas características essenciais do gênero entrevista, aliadas ao papel de entrevistador; 3) O trabalho sobre a regulação local, no decurso da entrevista, dos turnos, a formulação de questões e a utilização, da parte do entrevistador, de intervenções rápidas permitem dar corpo, continuidade e retomada ao tema abordado pelo entrevistado com novas questões ou comentários. A partir da realização do projeto de intervenção, foi possível constatar que as atividades práticas evidenciaram as potencialidades do gênero apontadas pelos teóricos estudados, quais sejam: incentivo à pesquisa, ampliação dos conhecimentos prévios dos alunos, diversificação das fontes de leitura, motivação para a produção textual, análise dos processos interacionais e da adequação dos usos da linguagem e enfrentamento da fala pública, aperfeiçoamento das habilidades de uso de estratégias argumentativas.