logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A composição de estereótipos na formação do ethos discursivo: análise de caso em um texto literário de Lygia Fagundes Telles
Autor(es): Samuel Ponsoni. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Discurso literrio, Esteretipo, Ethos discursivo
Resumo

Este estudo se propõe a compreender como se estrutura no conto "Senhor Diretor", de Lygia Fagundes Telles, a consolidação de um ethos discursivo de lamentação e contradição ideológico-moral, a partir da apresentação de si do narrador-personagem Mimi e da mobilização de estereótipos sociais. Para empreender esse estudo, via Análise do Discurso(AD) e mobilizando as noções-conceito de estereótipo, pré-construído e ethos, incidiremos nossas análises, primeiramente, na apresentação do nome próprio dado ao narrador-personagem, tal nome que, para Pêcheux(1988), trata-se do grau mais saturado de interpelação ideológica, algo que resulta da mais alta determinação de identificação com elementos que circunscrevem efeitos ideológicos das práticas discursivas. Em segundo lugar, pela análise de estereótipos a partir de expedientes linguísticos que, no conto, apresentam-se por predicações de ações das personagens da narrativa ou por nominalizações que denotam topônimos, gentílicos e outras apresentações de si. Pela perspectiva de Ruth Amossy, aplica-se à formação dos estereótipos os discursos em locução pela voz do personagem que narra, os quais se inscreveriam em vários tipos de moral pré-construídos, que compõem relações identitárias entre a personagem-protagonista e seus pares de narrativa, constituindo elementos que decantam naquilo que se fixa como orientação de sentido. Por fim, a análise do ethos no embate da relação dialética entre estereótipo pré-construído, ethos dito e ethos mostrado, consolidando o que pode/não pode e deve/não deve ser dito e significado, fazendo da própria enunciação do texto literário a gestão de uma dada conjuntura histórica. Assim sendo, nosso trabalho fundamenta-se em como essas hipóteses se materializam nas narrativas, ensejando que a AD lida de maneira consistente com a literatura, alçando o próprio domínio de saber onde a disciplina de discurso reside, i.e.,a ciência da linguagem, a uma não condição de  ferramenta auxiliar, mas sim a algo decisivo para análise e interpretação do fato literário, sem a distinção de fundo e de forma. (Apoio: FAPESP processo 2011/09881-4)