logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A Análise do Discurso e os significantes ideologia e inconsciente
Autor(es): Ana Claudia Moraes Merelles Bezz, FREDERICO SIDNEY GUIMARAES. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave ideologia, inconsciente, discurso
Resumo

Ao tratar das formações discursivas associadas ao processo das formações ideológicas, tanto Michel Pêcheux como Eni Orlandi possibilitaram, a partir da noção de “efeitos de sentido” e das “falhas” inerentes aos sistemas (linguístico e ideológico), a reflexão da própria produção teórica como parte de um processo discursivo. Pensar a ideologia no processo das disputas por sentidos, então, contribui para a compreensão do próprio posicionamento dos teóricos na conceituação e desenvolvimento da noção dos significantes ideologia e inconsciente na Análise do Discurso. Para realizar essa proposta de discutir tais significantes na Análise do Discurso, trataremos tanto do conceito de Inconsciente pelas leituras de Lacan, como dos caminhos teóricos do entendimento de ideologia em seu deslocamento, ou deslizamento, nos níveis dos conceitos marxistas de infraestrutura e superestrutura a partir da reflexão de Michel Pêcheux. O ponto inicial dessa nossa reflexão em Michel Pêcheux considera a premissa deste teórico de que a língua não seria superestrutura.   Desta forma, a ideologia está entre uma concepção que consideraremos “ideológica” do pensar idealista e a concepção “ideológica” do pensar materialista. Já o conceito de Inconsciente, na Análise do Discurso, tem suas premissas a partir da concepção lacaniana, que nos permite considerar a falha em jogo na língua. Quando propõe o Inconsciente estruturado como linguagem, Jacques Lacan aponta que o mesmo se manifesta, mais especificamente, nos “furos” da linguagem, tais como os atos falhos, os chistes, o sintoma,ou seja, as psicopatologias da vida cotidiana tal como Sigmund Freud nomeou. Ao incluir a noção de Inconsciente nos estudos da linguagem, Pêcheux, de alguma maneira, rompe com uma visão mais tradicional da Linguística e abre a possibilidade da inclusão do equívoco: só há causa daquilo que falha. Poderíamos pensar que os conceitos que sustentam uma teoria também são atravessados pelo ideológico? Em que medida Inconsciente e ideologia se articulam?