logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Si uales, ego ualeo: algumas concepções do gênero epistolar greco-romano
Autor(es): Larissa de Souza Lopes Kerr. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Epistolografia, Tratado de Demtrio, Correspondncias
Resumo

Na Antiguidade clássica, é evidente a escassez de documentos que foram escritos e chegaram até nós sobre o ato de escrever cartas. O gênero epistolográfico, assim, foi discutido por alguns teóricos, como também por alguns epistológrafos “militantes” (conforme Cugusi, 1983, 27), pois estes emitiam comentários acerca da escrita de cartas nas próprias correspondências. Desse modo, em consonância com Cugusi, Poster (2007, 21) afirma que há evidências diretas nos manuais de escrita de cartas ou em preceitos de escrita de carta em outros tipos de livros, e evidências indiretas contidos nas próprias cartas. Nesse contexto, nosso trabalho pretende salientar as principais características epistolares comentadas por alguns autores, seja em obra deliberadamente teórica, seja em obra sem esse propósito.

                      O excurso mais antigo sobre epístola consta do tratado “Sobre o estilo” (do grego Peri hermeneias, em latim De elocutione) de Demétrio. Sobre esse tratado, não há consenso entre os estudiosos para a datação e a autoria, todavia, apesar das divergências, é provável para muitos que essa obra pertença ao período helenístico (Freitas, 2011, 17). Outras fontes interessantes são excertos que poderíamos adjetivar de metalinguísticos por serem encontrados nas correspondências de Cícero, Sêneca e Plínio o Jovem.

                      A partir dessas obras, poderemos destacar as propriedades essenciais da carta, sua estrutura, (inscriptio, subscriptio, conteúdo), a classificação dos seus variados tipos, suas características formais. Poderemos verificar também alguns topoi epistolares: o mais recorrente que é o da carta como uma espécie de conversa com quem está ausente; a breuitas, isto é, o cuidado com a extensão das epístolas; o pedido para que o destinatário escreva mesmo sem ter assunto; o lamento pela falta de notícias. Portanto, com este trabalho, fruto de nossas pesquisas de Mestrado sobre a epistolografia de Plínio o Jovem, delinearemos as concepções do gênero epistolar entre os antigos, abrangendo alguns dos principais autores do período.