logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Os processos de mudança fonológica em proparoxítonas: a síncope e seus efeitos
Autor(es): Giselly de Oliveira Lima. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Proparoxtonas, Sncope, Processos fonolgicos
Resumo

Os estudos sobre a vogal postônica, em palavras proparoxítonas, têm muito a oferecer à linguística descritiva e variacionista. Embora as proparoxítonas sejam minoria no léxico brasileiro, estas oferecem vários contextos para análises e discussões. Assim, os processos de mudança, nestas palavras , podem ser observados no momento sincrônico, bem como é possível encontrar exemplos no processo evolutivo da língua. Isso significa que, diacronicamente, os processos históricos que fizeram parte da evolução do Latim para o Português continuam atuantes. A síncope é um bom exemplo, por se tratar de uma regra que teve sua origem no Latim vulgar e que continua atuando nas proparoxítonas, no caso desta pesquisa, no Sudoeste Goiano.   Diante do exposto, com o objetivo de verificar os efeitos da síncope nas palavras com acento antepenúltimo, adotamos dois modelos teóricos da Fonologia Métrica: um para o tratamento da sílaba, proposto por Selkirk (1982) e outro para o tratamento do acento, proposto por Hayes (1995). Com base nesses modelos teóricos, foram analisados três processos fonológicos entre os que a síncope desencadeia: assimilação, ressilabação e reestruturação do pé. Assim sendo, pelo processo de ressilabação, o segmento que antes ocupava a posição de ataque será incorporado à sílaba tônica ou à sílaba átona final. A incorporação desse segmento deve seguir o Princípio de Sonoridade Sequencial e o Princípio de Maximização do Ataque. Esse processo provocou a reestruturação do pé, transformando palavras proparoxítonas em paroxítonas. Assim, constatamos que o troqueu silábico é o tipo de pé que mais se ajusta à síncope nas proparoxítonas. Com essa reestruturação, o acento, que antes incidia na antepenúltima sílaba, passa para penúltima, evidenciando a mudança do acento para o padrão default do PB. Já no processo de assimilação, um segmento pode assimilar características do segmento precedente “cócega > cóska” (assimilação progressiva) ou assimilar características do segmento seguinte “físico > fisco” (assimilação regressiva). Contudo, o fenômeno investigado direcionou, também, para uma análise seguindo os pressupostos da sociolinguística. Dessa forma, sob a ótica da Teoria Variacionista, analisaram-se, estatisticamente, as variáveis linguísticas e extralinguísticas que favorecem a síncope.