logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A DESUMANIZAÇÃO: DO LUTO À MELANCOLIA NO ROMANCE DE VALTER HUGO MÃE
Autor(es): ANGLICA CATIANE DA SILVA DE FREITAS. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave A DESUMANIZAO, MELANCOLIA, CONTEMPORNEO
Resumo

Analisamos a presença da tristeza e da melancolia no romance: A desumanização, de Walter Hugo Mãe, 2013. Segundo o ensaio de Freud, de 1917, que estabelece um paralelo entre o luto e a melancolia, para, a partir das premissas do primeiro, chegar a desvendamentos sobre a segunda. Freud define o luto, grosso modo, como uma perda natural da vida, à qual o ser humano está inexoravelmente exposto. Já na melancolia, o sofrimento intenso do sujeito também pode ser causado por uma perda real ou ideal, mas ele não sabe direito o que perdeu, trata-se de uma perda que, ao contrário do luto, se dá de forma mais inconsciente. Na melancolia há um rebaixamento do sentimento de autoestima, inexistente no luto (FREUD, 2011, p.53). Enquanto, no sofrimento do luto, o indivíduo vê o mundo como vazio e desprovido de interesse, “Na melancolia, é o próprio eu (ego) que é atingido, ferido, dilacerado” (PERES, 115). Nosso objetivo é verificar como as características da melancolia aparecem na personagem Halldora, de A desumanização, a narradora-protagonista do romance, que passa do luto à melancolia, devido a vários fatores que sucedem à morte da irmã gêmea, Sigridur. Procuraremos estabelecer um diálogo entre as características da melancolia, tal como pontuadas por Freud, em seu ensaio, e aspectos do romance: A desumanização, de Valter Hugo Mãe. O ensaio de Freud, segundo o próprio autor, não encerra as questões relativas à melancolia (2011, p.83), mas, a nosso ver, mostra-se suficientemente elucidativo ao propósito deste texto: de compreender aspectos da vida da narradora-protagonista do romance que fazem com que ela passe do sofrimento relativo ao luto, ao sofrimento causado pela melancolia. Finalmente, falaremos sobre a importância de se estudar a melancolia como uma característica muito presente na nossa sociedade contemporânea, como mostrou Peres (2011), no posfácio ao livro de Freud.