logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Modificação escalar e negação: uma análise do advérbio ‘absolutamente’
Autor(es): Lara Frutos Gonzlez. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave modificao, escalas, negao
Resumo

Este trabalho descreve e analisa o advérbio ‘absolutamente’ do Português Brasileiro (PB), tendo em perspectiva a teoria da semântica escalar, proposta em Kennedy (1999) e trabalhos subsequentes.   A partir da observação dos dados, pode-se concluir que ‘absolutamente’ é licenciado em três tipos de contexto: intensificação de adjetivos, operação sobre escalas de quantidade e operação sobre a negação. Quando usado como intensificador de adjetivos, apresenta uma restrição: apesar de se combinar com adjetivos relativos (1a) e adjetivos maximum standard (1b), não opera sobre adjetivos minimum standard (1c).

  1. a. João é absolutamente maluco.

b. A porta está absolutamente fechada.

c. #A porta está absolutamente aberta.

Em relação a sintagmas nominais, estejam eles em posição de sujeito ou objeto, absolutamente opera quando há uma escala de quantidade/extensão disponível. No entanto, ‘absolutamente’ requer que a escala já esteja medida por pelo modificador de grau ‘todo o’ ou ‘todos’.

(2)   a. João comeu absolutamente *(toda) a maçã.

              b. João comeu absolutamente *(todas) as maçãs.

O modificador “absolutamente” opera ainda sobre a negação no nível proposicional. Neste caso, baseando-nos na proposta de Heim (1992), consideramos que opera sobre a projeção de pressuposição de verdade de uma determinada sentença. Assim (2a) pode ter como paráfrase (2b):

 

  1. a. Eu absolutamente *(não) nasci para essa vida.

b. Eu acredito num grau máximo que não nasci para essa vida.

Dessa maneira, consideramos haver uma projeção escalar no nível proposicional, em que a escala é formada pelos graus de certeza do falante acerca de uma proposição.

A hipótese mais geral que perseguimos aqui é que ‘absolutamente’ opera como um modificador de escalas fechadas, necessitando operar sobre um valor absoluto. Isso, no entanto, não explica por que absolutamente opera sobre adjetivos relativos, em que não há um valor máximo definido. Para isso propomos que ‘absolutamente’ opera sobre a forma positiva do adjetivo, em que a classe de comparação fornece um padrão prototípico que servirá como valor absoluto sobre o qual ‘absolutamente’ operará. Dessa maneira, contribui-se para a teoria de duas formas: i) evidenciando através de ‘absolutamente’ os diferentes âmbitos em que operações escalares são possíveis; ii) fornecendo uma análise da negação a partir dessa perspectiva.